Médica dá dicas de cuidados para ter antes de fazer progressiva

Além das recomendações, dermatologista evidencia riscos de se fazer alisamento com produtos sem registro e autorização da Anvisa.

0

A escova progressiva, técnica de alisamento e redução no volume dos fios com uso de formol, tem conquistado adeptos no Brasil há quase duas décadas. Criado em 2003 por cabeleireiros do subúrbio do Rio de Janeiro, o procedimento foi derivado da escova definitiva, vinda do Japão.

Conhecida como Brazilian Hair Straightening, Brazilian Blowout, Keratin Treatment e outros nomes, o método brasileiro ultrapassou fronteiras e é sucesso em salões dos Estados Unidos, Europa e Oriente Médio. A escova progressiva já esteve na cabeça de famosas como Lindsay Lohan, Jennifer Aniston, Naomi Campbell e Keira Knightley.

Jennifer Aniston
Jennifer Aniston

A dermatologista da Clínica Les Peaux, Larissa Oliveira, falou com a revista Quem sobre a conexão entre alisamento e queda capilar.

“Apesar de o uso de formol como alisante de cabelos estar proibido pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) desde 2009, muitos salões utilizam o químico em escovas conhecidas como botox capilar, escova de aminoácidos, ácido glioxílico, cisteína ou carbocisteína, dentre outros nomes que, apesar de não conter o termo formol ou formaldeído em sua composição, possuem substâncias precursoras de formol que são liberadas quando os cabelos são aquecidos com chapinha”, diz a médica.

De acordo com ela o formol faz mal à saúde e seus danos podem incluir coceira, irritação, queimadura, inchaço, lacrimejamento dos olhos, descamação e vermelhidão do couro cabeludo.

“Também pode causar alergias, queda de cabelo ou piora da alopecia já existente e até mesmo câncer nas vias aéreas superiores (nariz, faringe, laringe, traqueia e brônquios). Além das dermatites (vermelhidão, coceira e descamação) no couro cabeludo, as escovas progressivas reduzem ainda a massa proteica (o córtex da haste capilar perde queratina) dos fios, deixando-os mais frágeis e mais propensos à quebra. Nos pacientes que já têm alopecia, esses fios ficam mais propensos à queda, agravando o quadro prévio”, argumenta.

Contudo, a profissional diz que não é preciso abandonar o alisamento. O importante é se atentar aos produtos usados antes de fazer o procedimento. “Produtos para alisamento registrados e autorizados pela Anvisa não trazem perigo à saúde. Os registros que certificam as escovas progressivas pela Anvisa devem conter entre 9 e 13 dígitos e se iniciam pelo dígito 2. No entanto, é indicado obter mais informações sobre os componentes do produto, de forma a evitar alergias e outras reações que podem variar de pessoa para pessoa”, aconselha.

Leia também: Os principais tipos de escovas alisadoras

Você pode gostar
você pode gostar também
Deixe um comentário

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More